[Report] MSC Armonia - 15 dias nas Caraíbas

Este ano, decidi aventurar-me, juntamente com o marido e as filhas gémeas de 15 anos, para o outro lado do Atlântico. Depois de pouca pesquisa (até nem estávamos a pensar fazer umas férias em grande nem nada!), decidimos fazer um cruzeiro de 15 dias nas Caraíbas no MSC Armonia. O roteiro foi o motivo principal já que o navio partia de Havana e passava por Belize, Honduras, Costa Maya, Cozumel, Montego Bay na Jamaica e Ilhas Caimão.

Então no dia 28 de julho, lá fomos para o aeroporto. O voo, pela Air Canada Rouge, partia do Porto em direção a Toronto pelas 12:20 mas houve um atraso e saímos uma hora mais tarde. O avião não era nada especial e o entretenimento a bordo tinha de ser lançado nos tablets, telemóveis dos passageiros através da APP da companhia (da qual se tinha de fazer o download prévio). Quem quisesse podia alugar um tablete para ver filmes/séries mas não sei qual o preço. Optei por me dedicar à leitura. As refeições servidas a bordo eram a típica comida de avião... sem sabor e nada apelativa. Convém referir que paguei 2000 euros pelos 4, portanto não se pode exigir muito. Na Air France pediam 4000 euros e achei que era um absurdo!

Chegamos a Toronto e estivemos umas 4 horas à espera do voo seguinte e depois seguimos para Havana, novamente num avião da Air Canada Rouge. Chegamos ao aeroporto perto das 23h e fiquei impressionada com a tenra idade dos trabalhadores com que me deparei e com as condições... nunca tinha visto um aeroporto tão estranho! Tínhamos solicitado transfer e seguimos para o porto de Havana.

Como já tínhamos feito um cruzeiro no Mediterrâneo com a Costa, quando chegamos ao destino, foi fácil de perceber que o MSC Armonia pertencia a uma categoria inferior ao navio em que já tínhamos viajado, mas o que importava mesmo mesmo as paragens que iríamos fazer. O nosso camarote era interior e achei que era bastante bom. Claro que era um bocado apertado para 4 pessoas se andarem lá a movimentar mas as camas eram boas e não faltava nada.

Como já era perto da meia noite, decidimos ficar a descansar. No dia 29 fomos então conhecer Havana e adoramos. Achamo-la encantadora e muito bonita.


No dia 30 foi dia de navegação e choveu bastante, portanto aproveitamos para conhecer o navio que seria a nossa casa durante duas semanas.

No dia 31 de julho, fizemos a 1ª paragem: Belize. Este não é um país sobre o qual eu soubesse muito mas estava entusiasmada por conhecê-lo. Já que as excursões da MSC são caríssimas, optamos por não fazer uma excursão organizada por eles... e ainda bem! Mal saímos do porto, fomos “atacados” por homens que nos tentavam convencer a fazer excursões aqui e acolá... lá contratamos um taxista para dar uma volta de 1h30m pela cidade connosco por 50 dólares. O senhor foi muito atencioso e falou durante todo o tempo, explicando o que íamos vendo. No final ainda lhe demos uma gorjeta de 10 dólares.

No dia 1 de agosto a paragem era Roatan nas Honduras mas, devido às condições do mar, não era possível fazer o transbordo de lanchas em segurança e o comandante optou por não parar e seguir caminho. Fiquei bastante triste, até porque o mar nem parecia assim tão agitado e havia lá navios com as mesmas dimensões do nosso a levar o pessoal para terra em lanchas. Este incidente provocou algum alarido e houve quem se manifestasse contra a decisão tomada... mas nada mudou! Mais um dia de navegação inesperado!

No dia 2 de agosto chegamos à Costa Maya no México. O porto é bastante animado, cheio de lojas e completamente preparado para receber turistas. Quem não quiser cansar-se ou fazer excursões, pode ficar por ali na enorme piscina, nos restaurantes e bares... muito interessante! Claro que queríamos ir conhecer um pouco daquela zona. Fomos de shuttle bus (penso que ficou a 12 dólares para os 4) até Mahahual e depois fomos para a praia. As praias pertencem a clubes, o que implica que se pague tudo. Decidimos fazer snorkeling, por 60 dólares, durante uma hora e meia com um guia. Foi espetacular ver a fauna e flora marinhas! Quando regressamos, queríamos ir dar uns mergulhos e, como já estava tudo bastante cheio de turistas e tudo pertence a clubes de praia, optámos por alugar uma mesa por 5 dólares para pousarmos as nossas coisas e nos sentarmos um pouco. Por uma garrafa de água, uma cola e uma margarita pagamos 21 dólares... achei que o turista é mesmo muito explorado!


No dia 3 de agosto foi dia de parar em Cozumel. Uma ilha muito bonita e também muito bem preparada para o turista. O navio atracou em Punta Langosta que fica bem no centro da cidade. Por causa do calor, decidimos e logo para a praia que um taxista nos indicou. Pagamos-lhe 20 dólares para nos levar lá e mais 60 dólares para entrar no clube Uvas Beach Club. Tínhamos direito a material de snorkeling, uma bebida e 5 minutos de massagem grátis. Reservamos logo umas espreguiçadeiras, alugamos um cacifo (10 dólares de depósito e devolvem 5) e fomos buscar material de snorkeling para voltar a apreciar a natureza e beleza daquele mar. O espaço tinha internet grátis, que deu muito jeito. Para regressar ao navio, chamamos um táxi e pagamos 15 dólares e, antes de embarcar, ainda demos uma volta pelas lojas do porto.


No dia 4 de agosto regressamos a Havana! Como tínhamos saído de Cuba, tivemos de adquirir 4 vistos para poder ir visitar a cidade... lá foram mais 60 euros! Fomos dar uma volta pelas ruas da cidade e decidimos ir dar uma volta de carro clássico. 50 euros por uma hora.

No dia 5 voltamos à cidade mas, como já tínhamos visto o que queríamos, decidimos ir à praia. Apanhámos o T3 para Santa María por 20 CUC ida e volta para os 4. A viagem demora cerca de 40 minutos mas faz-se bem. A praia era muito bonita mas, como era domingo, estava cheia de turistas e cubanos! Estava bastante vento mas a água estava maravilhosa. Bebemos umas piñas coladas maravilhosas por 1 CUC!
full?lightbox=1&update=1535201495.jpg


No dia 6 aproveitamos para ir fazer umas compras e visitar a tão famosa La Bodeguita del Medio. Bebemos o mojito e adoramos! Fomos também à La Floridita provar o daiquiri mas não fiquei fã.

No dia 7 foi dia de navegação. No dia 8 chegamos a Montego Bay na Jamaica. Era um dos destinos mais apelativos para mim e adorei! Fomos de táxi com um taxista hiper divertido chamado Ty que nos levou até à Hip Strip e Margaritaville e pagamos 28 dólares. Para entrar na Doctor’s Cave Beach pagámos 24 dólares mas a praia era maravilhosa!

No dia 9 visitamos as Ilhas Caimão. Mal se chega, percebe-se que é uma realidade diferente das outras por onde tínhamos andado. Não há pessoal a chatear nas lojas para que compremos coisas. Queríamos ir à 7 Mile Beach e fomos de táxi (20 dólares) até uma entrada para a praia em que tinha uma estátua do Captain Morgan. Como ainda era muito cedo, decidimos ir caminhando pela praia e dando mergulhos. Havia zonas privadas em que (penso eu) que não podíamos mergulhar mas percorremos a praia tudo até bem perto do porto. A praia estava praticamente deserta, o que a tornou ainda mais bonita! Havia determinados hotéis ou clubes que estavam cheios de gente dos cruzeiros e, nessas zonas, era difícil nadar e estar! Andamos muito tempo e durante largos quilómetros mas regressamos à zona do porto a pé, onde aproveitamos para fazer umas compras.

No dia 10 regressamos a Cozumel. Como o tempo estava muito encoberto a ameaçar chover, fomos conhecer melhor a vila.
No dia 11 regressamos a Havana ao inicio da tarde e precisamos de outros vistos... mais 60 euros! Como era o dia do desembarque e só tínhamos voo na madrugada de domingo, pedi se podíamos sair do navio o mais tarde possível para termos onde deixar as malas enquanto íamos dar uma volta final por esta capital. Autorizaram-nos a sair às 18h. Até essa hora, como o calor apertava, foi consensual que se impunha uma visita à La Bodeguita del Medio! Despedimo-nos em grande da nossa viagem.

Ao final do dia, apanhamos um táxi para o aeroporto, onde passamos a noite. O voo para Toronto estava previsto para as 7 e não se atrasou. Chegamos ao Canadá a meio da manhã de domingo, dia 12. Como o voo para o Porto era só às 23h, decidimos ir conhecer Toronto. Apanhamos o Express e comprámos o bilhete família por 27 dólares que tem a duração de 7 horas. Saímos mesmo no centro, ao lado da CN Tower, que foi a nossa primeira visita. A fila era muito longa mas nós queríamos mesmo ir lá cima. Pagamos cerca de 135 euros para ir lá cima e termos prioridade na fila. Portanto, mal acabamos de comprar o bilhete, subimos logo! O topo está tão cheio de turistas que se torna difícil conseguir ver a paisagem ou tirar uma foto mas é bonito ver-se Toronto de cima!


De seguida demos mais umas voltas pela cidade para ficar com uma ideia... percebemos que é uma cidade enorme, cheia de arranha-céus maravilhosos... e com muito calor!

Quando regressamos ao aeroporto, verificamos que o nosso voo estava atrasado e só sairia perto da uma da manhã. A viagem de regresso foi muito turbulenta e nós estávamos exaustos mas muito felizes!!

Saliento que o navio não era o melhor, a comida no buffet era muito repetitiva e os espaços ficavam facilmente cheios. O staff era simpático e atencioso mas, em termos de limpeza, deixava um pouco a desejar. A equipa de animação era 5 estrelas mesmo! Adorei! Mas, como mencionei anteriormente, escolhi o roteiro sem me preocupar com o navio e... voltava a fazê-lo!!
 

NunoCorreia

Membro Conhecido
Não percebi muito bem a volta. O barco atracou 2 vezes em Havana e cozumel porquê? O cruzeiro era de 1 semana e repetiram?
+- estamos a falar de um valor por pessoa de..?
 
Não percebi muito bem a volta. O barco atracou 2 vezes em Havana e cozumel porquê? O cruzeiro era de 1 semana e repetiram?
+- estamos a falar de um valor por pessoa de..?
Cruzeiro de 15 dias, 2 semanas com paragens diferentes... bem, repetiu Cozumel à sexta porque é porto de embarque e desembarque de alguns passageiros. No final da primeira semana regressamos a Havana para haver embarque e desembarque.
upload_2018-8-25_17-14-11.png
 

d3ci0

Membro Conhecido
Muito obrigado pela partilha!!!
Tenho uma dúvida alguém passou mal? Não sou muito dado a viagens de barco, fico muitas náuseas, mas também nunca viajei num barco cruzeiro, sente-se a ondulação do mar?
E mais uma questão a reserva foi feita no site da MSC ou numa agência de viagem?
 
Muito obrigado pela partilha!!!
Tenho uma dúvida alguém passou mal? Não sou muito dado a viagens de barco, fico muitas náuseas, mas também nunca viajei num barco cruzeiro, sente-se a ondulação do mar?
E mais uma questão a reserva foi feita no site da MSC ou numa agência de viagem?
Ninguém passou mal, também não somos pessoas de enjoar facilmente. Não sei se era por causa de ser um navio mais pequeno (65 mil toneladas) ou pela agitação do mar, senti o navio a oscilar com alguma frequência mas nada demais. Na piscina notava-se que a água ora subia de um lado, ora subia do outro mas os copos nas mesas nem se mexiam. No cruzeiro que fiz no Mediterrâneo não senti nada mas o navio pesava mais 35 mil toneladas... não faço ideia se tem a ver com o tamanho do navio ou não!
Fiz reserva através da venda telefónica do El Corte Ingles. Vi o cruzeiro no folheto da MSC e reservei através de agência.
 

d3ci0

Membro Conhecido
Ninguém passou mal, também não somos pessoas de enjoar facilmente. Não sei se era por causa de ser um navio mais pequeno (65 mil toneladas) ou pela agitação do mar, senti o navio a oscilar com alguma frequência mas nada demais. Na piscina notava-se que a água ora subia de um lado, ora subia do outro mas os copos nas mesas nem se mexiam. No cruzeiro que fiz no Mediterrâneo não senti nada mas o navio pesava mais 35 mil toneladas... não faço ideia se tem a ver com o tamanho do navio ou não!
Fiz reserva através da venda telefónica do El Corte Ingles. Vi o cruzeiro no folheto da MSC e reservei através de agência.
Ok Obrigado!;)
 
Top