Novidades

[Report] Cairo e Ain Sokhna

Após deixar o Egeu para trás, 2 horas separava-nos do Cairo.

À chegada, alguma dificuldade em passar pela imigração, o visto custa 25€ por pessoa, mas não aceitavam cartão ou o cartão dava inválido. Eu desesperava, os gajos piscavam o olho à minha namorada e eu já deitava fumo, começava bem. Enfim, melhor é levar dinheiro vivo para os vistos. Lá consegui levantar dinheiro e resolver a situação.

Para a primeira noite reservei no KMT hostel, por 40€ com pequeno almoço, bem no centro da cidade, a 5 minutos a pé da praça Tahir, onde está situado o Museu do Cairo.
Combinei com o dono do hostel o transfer por 18€, mais tarde percebi que de Uber não seria mais de 5€(100 Libras Egípcias).

Ao sair do terminal, começou o assédio. Dezenas de gajos a oferecer serviços, essencialmente de transporte, mas não só.
Estivemos cerca de 1 hora à espera do transfer com um calor infernal, logo às 8 da manhã. Fomos num carro a cair de podre, sujo como uma lixeira, percebemos depois que, é o normal por ali, sejam Ubers, sejam carros particulares, não existem mínimos de limpeza
Saindo do aeroporto, iniciámos a jornada pelo terceiro mundo, pessoas a atravessar autoestradas tranquilamente, como se nada fosse, motas com 3 pessoas às vezes com tachos de comida ao alto e grandes travessas de pão sobre as cabeças, carros e motas frequentemente em sentido contrário, autocarros que não param para entrada e saída de passageiros, as pessoas literalmente saltam em andamento para dentro e para fora dos autocarros, completamente bizarro. Já tinha sido confrontado com este cenário na República Dominicana, mas o Cairo está um nível acima.
Chagados ao hostel, numa rua típica do Cairo, um prédio a cair, a pingar água para a rua, pó por todos os lados, lixo pelo prédio acima, elevador medonho, eu olhava para a minha namorada e não sabia se havia rir ou fugir dali para fora.😳

A receção no terceiro andar, tranquilizou-nos um pouco, ambiente bem melhor. O dono afinal está a renovar o espaço aos poucos, e se calhar daqui a um tempo temos ali um hotel de luxo.😅
Depressa o meu receio desapareceu, respirei de alívio e fiquei decidido a passar ali a noite. Deixámos as malas e partimos para a aventura, afinal ainda era cedo e o quarto não estava pronto.
Já na rua, as coisas só pioraram, o assédio continuou e os olhares indiscretos para a minha namorada eram constantes.

Apanhámos facilmente um Uber, sujo e sem perceber inglês, mas que por cerca de 1€ nos levou ao mercado Khan El Khalili. O caminho alucinante era de cortar a respiração, a condução agressiva, o constante buzinão, a azáfama, degradação geral, era difícil manter a atenção no que quer que fosse, os risos davam lugar a estupefacção, que por sua vez davam lugar a risos novamente, foi como entrar noutra dimensão.

20220910_124215.jpg
20220909_113405.jpg


No mercado o assédio era desconcertante, difícil de ver o que quer que fosse, pois os vendedores não nos largavam, eram dos poucos turistas por ali, e queriam garantir que comprávamos algo. Passámos a maior parte do tempo a tirar fotos e a fazer vídeos daquele cenário bizarro. Comprámos algumas coisas de forma muito regateada e percebemos que era hora de almoço porque de repente um aglomerado de pessoas enchem a rua estreita do mercado em grande algazarra, enquanto 4 homens enchiam malgas com uma qualquer iguaria local, cada vez eram mais a tentar agarrar a malga quais crias a agarrar na teta. Apanhados no meio daquela confusão, decidimos que já chegava de tanta emoção e fomos à procura de algo para comer também. A escolha recaíu num KFC, junto ao Museu, foi o que nos pareceu mais seguro apesar de muito pouco saudável. De resto, quem vai para o Cairo pode esquecer a alimentação saudável, nunca ouviram falar disso.
20220909_125319.jpg
20220909_130501.jpg
20220909_125326.jpg
20220909_130510.jpg


Fomos confrontados com crianças a pedir para comer, a pedir a água que carregava comigo, fui acedendo aqui e ali, confesso que o choque foi grande e levou algum tempo até nos habituar-mos áquela realidade. No KFC, as mulheres olhavam com desdém para a minha namorada, talvez por não estar coberta até aos olhos, não sei, turistas foi coisa rara, por onde passámos, não resisti a pagar almoço a uma menina que me abordou dentro do KFC, a pedir comida. Um prato de arroz com frango custa 2€, paguei e pedi para deixarem a menina comer ali, algo que não agradou muito as funcionárias, mas não tiveram como recusar, o sorriso que aquela menina fez não teve preço.
No Cairo as pessoas respiram negócio, tudo é negócio e para tudo há intermediários, os adultos lá se vão safando aqui e ali, mas é triste perceber que as crianças são o elo mais fraco, algumas comem uma refeição por dia e essas são as sortudas.

A ideia entretanto era ir ao Museu do Cairo, antes ainda passámos num bazar onde só se encontrava o dono, aproveitámos para comprar uns souvenirs a bom preço, acabámos a beber chá com ele enquanto trocávamos ideias sobre as nossas diferente culturas e hábitos.

No museu o cansaço já se fazia sentir, afinal pouco ou nada dormimos na noite anterior, o calor também fazia mossa e aquele momento relaxante da pausa para o chá começava a fazer efeito. Ainda assim pagámos 10€ cada para entrar no museu e ficámos maravilhados com o que vimos, das múmias aos sarcófago, as gravuras e hieróglifos, estátuas e outros artefactos, tornaram aquele momento mágico, transportando-nos para as aulas de história do secundário.
20220909_154542.jpg
20220909_154629.jpg
20220909_154814.jpg
20220909_155039.jpg


20220909_155808.jpg


20220909_155904.jpg
20220909_160155.jpg
20220909_160604.jpg
20220909_163144.jpg


De regresso ao nosso hostel medonho, afinal não era mau de todo, até cadeiras da apple ele tinha, a vista era a possível, mas com o cansaço que eu tinha até no sarcófago dormia.
20220909_155237_03.jpg
20220909_171643.jpg


Dormimos a sesta quais Espanhóis, e reservámos a noite para jantar na Torre do Cairo, restaurante panorâmico e giratório no cimo da torre de 180 metros. Apanhámos novamente Uber à porta do hostel, cerca de 30 Libras Egípcias, o mesmo que dizer, 3€.
Entrada na torre custou 10€ cada, e foi necessário pagar consumo mínimo no restaurante no valor de 30€. Uma vez mais, turistas, nem vê-los por aquelas bandas. Subimos, sempre a sentirmo-nos observados, jantámos, diria que vale pela vista sobre o Nilo, que é fabulosa. Depois de jantar tivemos oportunidade de subir ao nível superior, para onde tínhamos pago o acesso de 10€ cada, 2,5€ para os locais. Ali aconteceu a coisa mais caricata, uns miúdos pediram para tirar uma foto comigo, não sei se por me confundirem com alguma estrela ou se por não ser muito frequente verem turistas por ali. Senti-me tão observado que a dada altura já me sentia incomodado, vida de figura pública é assim.😅
20220910_000315.jpg
20220910_000320.jpg
20220910_003238.jpg


Dia 2 no Cairo começa com uma ida à Mesquita do Alabastro, a minha namorada enfeitou-se bem e eu também não estava nada mal, achámos que seria importante tapar tatuagens por respeito, mas lá percebemos que só é jmportante as mulheres cobrirem parcialmente o cabelo e entrar descalço no monumento. Ainda assim foi engraçado o vestuário a rigor. Nova coima de 10€ para entrar.
 
Última edição por um moderador:
20220910_104933.jpg
20220910_105135.jpg


Visita rápida, vale a pena para quem tem tempo, não vale a pena se o tempo for limitado.
Corremos para o check out no hostel, sem grandes saudades partimos para a segunda estadia, desta vez num hotel em Giza, chamado Hassan Pyramids Hotel, sobre o qual depositava grandes expetativas. O Uber até lá custou 4€ e ainda tive que ser eu a explicar o caminho, bendito Waze😅
O Hotel custou a módica quantia de 20€, por uma noite, melhor negócio no Cairo como demonstram as imagens que se seguem.
20220910_133631.jpg
20220910_140320.jpg
20220910_173932.jpg
20220910_174234.jpg
20220910_174446.jpg
20220910_175313.jpg
20220910_175648.jpg
20220910_180253.jpg
20220910_181218.jpg


Parecia uma criança aos pulos perante aquele cenário idílico, cenário de filme, eu saltei, eu pendurei-me no muro para a melhor foto, fui fotografado pelos locais que me observavam de baixo e o sr. Hassan, jóia de pessoa correu para perceber o que se passava, referindo sériamente após os vários alertas, que teve medo pela minha vida. O sr. Hassan não nos deixou faltar nada, encomendou comida sempre que precisámos, tínhamos acesso via Whatsapp para qualquer coisa que precisássemos, a qualquer hora da noite ou do dia. Atendimento fantástico. Reservou-nos um cruzeiro com jantar no Nilo com transporte à porta, 5 estrelas.
O motorista El Farid, 5 estrelas também, e o guia Ahmed, que nos acompanhou, para que não nos faltasse nada, foi 6 estrelas. Sentimo-nos verdadeiros VIP, tratamento de luxo, completamente distinto do que tínhamos tido até então, aconselho. Aliás se alguém precisar do contacto destes dois, é só perguntar aqui, garanto que ficarão bem servidos com pessoas de uma humildade extrema.
A brincadeira ficou em 80€, mas vale bem o investimento, transporte, tratamento VIP, jantar em cruzeiro no Nilo com espectáculo a bordo, foi top.
20220910_194712.jpg
20220910_201604.jpg
20220910_220823.jpg


Dia 3, foi dia de estar finalmente perto das pirâmides, sentir o cheiro, tocar, andar de camelo, foi o dia mais aguardado da viagem. Tinha planeado ir a pé até ao panorama junto à pirâmide menor, contratar a viagem de camelo e ficar por aí. Mas estava o calor imenso logo às 8h, achei melhor poupar o esforço e contratei o serviço na entrada do recinto, sem antes pagar a entrada no valor de 240 libras cada um, quase 25€ para os dois. O serviço de transporte em charrete mais passeio de camelo no panorama ficou em cerca de 125€ por 2 horas, acho que fui enganado mas não pensei mais nisso e tentei desfrutar ao máximo daquele momento. As fotos falam por si.
20220911_090958.jpg
20220911_092627.jpg
20220911_092754.jpg
20220911_092818.jpg
20220911_092916.jpg
20220911_093526.jpg
 
Última edição por um moderador:
20220911_093808.jpg
20220911_103328.jpg


O ponto alto da nossa viagem, o momento porque tanto esperámos, tudo se alinhou ali, todos ficámos contentes.
No Cairo, os intermediários levam a maior parte do dinheiro, todos tentam colher a sua parte, enquanto para quem oferece o serviço, resta-lhes as migalhas, afinal num país com um salário mínimo de cerca de 100€ não se pode exigir mais. Julgo que o turismo no Cairo tem sofrido bastante devido a este tipo de serviços, assentes em organizações que exploram e assediam constantemente os turistas com esquemas, talvez isso explique que cada vez mais turistas vão para o Novo Cairo, região nova, mais organizada, mais cara, mas com menos surpresas e esquemas.
Até no aeroporto me tentaram enganar com o preço dos cafés, tentando aproveitar-se da minha distração no momento de passar o cartão no terminal, mas eu estava atento e o gajo desculpou-se atabalhoadamente, de 220 libras queria-me cobrar 280. Isto é uma realidade, tudo é negócio, tudo tem um preço. Ainda assim tive a oportunidade de conhecer gente boa.

Os últimos dois dias reservei hotel em Ain Sokhna, perto de Hurghada, tentei negociar o transporte com o Farid, ao que me respondeu que seria melhor falar no hotel, já que isso podia fazê-lo perder o acordo que tinha com eles, lá está o intermediário. Eu compreendi e solicitei o serviço ao Hassan, o valor foi 60€, 70% para o hotel 30% para o Farid, confidenciou-me o mesmo já no caminho para Hurghada.
150km separava-nos do mar, mas isso não foi impedimento, não iríamos embora sem mergulhar no Mar Vermelho. Fiz reserva no Hotel Blumar El Dome por 70€ a noite com Meia Pensão. Há duas avaliações que divergem, se por um lado o hotel é confortável, o jantar foi bom, o pequeno almoço foi razoável, mais em conformidade com a cultura ocidental, mas ainda assim não excelente. As prais são boas e o mar é top. Por outro lado, o lixo é um problema, tal como por todos os sítios por onde passámos.
E uma ligeira sensação de preconceito para com os ocidentais, não tanto pelo staff, mas pelos hóspedes que são donos de apartamentos ligados ao hotel, que nos olham com algum preconceito, coadjuvado por uma política do hotel, há qual nào pude ficar indiferente. Uma das praias era reservada aos owners/habitantes locais, por sinal a melhor praia, vedada aos restantes hóspedes. Eu não aceitei essa situação e insisti que queria utilizá-la, com ameaça de divulgar essa situação quando voltasse ao meu país, algo que considerei como racismo. Quando fiz check in, questionei acerca das políticas do hotel relacionadas com eventuais restrições no que diz respeito a fatos de banho das mulheres, pois percebi que maioritariamente as mulheres presentes no hotel, eram muçulmanas e usavam fatos de banho de corpo inteiro. Responderam-me que ali não havia esse tipo de preconceito e que o hotel era nosso para explorar, ora eu reivindiquei bem isso e após insistência e um pouco forçadamente, lá me deixaram entrar na bendita praia, ignorando o acesso por torniquete.
Aparte dessa situação muito desagradável, tudo correu bem e foram dois dias e uma noite fantásticos, passados no ambiente escaldante do golfo do Suez, água quente, noite quente, voltámos também nós de coração quente.
De salientar os diversos pontos de controlo a que fomos sujeitos, entre o Cairo e Sokhna, as várias obras em processo, para estradas, linhas de comboio, infrastruturas de grande escala, passámos também por vários locais de extração de petróleo e ferro, o resto é deserto. Julgo que Sokhna, será em breve a nova Hurghada, já é possível ver os iates espalhados pela costa e com as variadíssimas obras a decorrer, tudo aponta para um novo ponto turístico em trânsito naquela região.
20220911_180225.jpg
20220911_180517.jpg
20220912_073856.jpg
20220912_092308.jpg
20220912_080022.jpg
20220912_075232.jpg
20220912_075208.jpg
20220911_182017.jpg

E assim termino, com um pôr do sol inesquecível, com o desejo de mais momentos bons como estes.
 

ploferreira

Administrador
Staff
Olá,

Que bom rever estas paisagens do Cairo, o Cairo é assim mesmo, sujo, ruidoso, ou se ama ou se odeia. Apesar de tudo continua a ser um das viagens que melhores memórias me deixou!

Aquele hotel com vista para as pirâmides por 20€ foi um "roubo" :)

Continuação de boas viagens!
 
Olá,

Que bom rever estas paisagens do Cairo, o Cairo é assim mesmo, sujo, ruidoso, ou se ama ou se odeia. Apesar de tudo continua a ser um das viagens que melhores memórias me deixou!

Aquele hotel com vista para as pirâmides por 20€ foi um "roubo" :)

Continuação de boas viagens!
O Hassan Pyramids Hotel é um autêntico oásis no deserto, não acredito que se vá manter àquele preço por muito tempo.
 
Top