Punta Cana com bebé

Nitaaa

Membro
Boas pessoal,
Andamos a pensar ir para Punta Cana em Janeiro. Problema: temos uma bebé que na altura terá 5 meses.
Alguém que tenha ido com crianças menores de 1 ano que possa contar a experiência? Muito sinceramente o meu maior medo é em termos médicos. Ela poder ficar doente ou assim... E também as comidas para ela...
Que hotéis aconselham neste caso?
Tenho recebido orçamentos para o Bahia Príncipe Bavaro... O que acham?

Muito obrigada!! :)
 
Última edição por um moderador:

Dsanto

Membro Conhecido
Boas pessoal,
Andamos a pensar ir para Punta Cana em Janeiro. Problema: temos uma bebé que na altura terá 5 meses.
Alguém que tenha ido com crianças menores de 1 ano que possa contar a experiência? Muito sinceramente o meu maior medo é em termos médicos. Ela poder ficar doente ou assim... E também as comidas para ela...
Que hotéis aconselham neste caso?
Tenho recebido orçamentos para o Bahia Príncipe Bavaro... O que acham?

Muito obrigada!! :)
Olá,
não fui para Punta Cana mas fui para Cuba com bebé de 12 meses, entretanto já fiz Menorca quando ela tinha 10 meses e La Valetta com 6. Em todos os destinos me deparei com imensos bebés pequenos.
Basicamente tendo o aval do pediatra o resto é mera logística. Acho que os principais conselhos que lhe posso dar prendem-se com:
- Faça um upgrade ao seguro "normal" de viagem para garantir que se precisar de algum serviço de saúde a cobertura é mais ampla;
- A minha com 5 meses fazia uma refeição de sopa e uma de papa e lanchava iogurte e fruta, não sei se a sua é igual… De qualquer modo eu planearia refeições de papa (existem umas da holle que são de abóbora e cenoura desidratadas e substituem a sopa), levava daquelas iogurtes iogulino ou nestle que não precisam de estar no frio, frutinhas de boião e claro, leite de sobra… Embora lá vá encontrar imensa fruta que pode dar por exemplo.
- Ah e divida bem as coisas da bebé nas bagagens para se alguma se perder não ficar na mão. Eu levei ainda muita coisa na mala de cabine com receio de lá chegar e não ter malas (o leite por exemplo, não sei até que ponto arranjaria lá semelhante com facilidade, mas não me parece).
- Quanto ao hotel, acho que como em termos de alimentação da bebé se pode assegurar sozinha, teria em conta se tem por exemplo serviço de atendimento médico… O Bahia Príncipe que refere parece-me bem.
- Depois é cuidado com o sol (há uns fatinhos de banho com filtro UV que protegem mais o corpo) e os mosquitos (raid de tomada para o quarto e moustidose para a pele porque acho que é o único que com essa idade pode colocar, mas funciona, esqueça os dos infra-sons e citronela que são treta).
- Ahhh e muito importante, requisite berço a bordo, além de ficar num lugar com mais espaço para as pernas dá imenso jeito para os soninhos do bebé.
- E ainda, veja no aliexpress aquelas boias de bebé que têm um toldo por cima, assim podem andar todos no mar mais tempo porque o bebé permanece à sombra… Não sei se a piscina é opção por causa dos cloros, pelo menos diariamente não sei se expor a pele de um bebé tão pequeno ao cloro pode fazer alguma reação… Mas acho que eventualmente poderá ir algumas vezes à piscina, mas isso convém ver com o pediatra. A água do mar sei que é tranquilo...

No fim de contas não acho que viajar com bebés seja nada do outro mundo, dá trabalho toda a logística mas no fim é aquele trabalho que vale a pena. Infelizmente acho que a generalidade dos portugueses ainda tende a ser mais reticente e não me cruzei com nenhuns… Mas falando por mim, das vezes que já fui não em arrependi por 1 segundo, e já ando a planear as do próximo ano!
 
Última edição:

Nitaaa

Membro
Olá,
não fui para Punta Cana mas fui para Cuba com bebé de 12 meses, entretanto já fiz Menorca quando ela tinha 10 meses e La Valetta com 6. Em todos os destinos me deparei com imensos bebés pequenos.
Basicamente tendo o aval do pediatra o resto é mera logística. Acho que os principais conselhos que lhe posso dar prendem-se com:
- Faça um upgrade ao seguro "normal" de viagem para garantir que se precisar de algum serviço de saúde a cobertura é mais ampla;
- A minha com 5 meses fazia uma refeição de sopa e uma de papa e lanchava iogurte e fruta, não sei se a sua é igual… De qualquer modo eu planearia refeições de papa (existem umas da holle que são de abóbora e cenoura desidratadas e substituem a sopa), levava daquelas iogurtes iogulino ou nestle que não precisam de estar no frio, frutinhas de boião e claro, leite de sobra… Embora lá vá encontrar imensa fruta que pode dar por exemplo.
- Ah e divida bem as coisas da bebé nas bagagens para se alguma se perder não ficar na mão. Eu levei ainda muita coisa na mala de cabine com receio de lá chegar e não ter malas (o leite por exemplo, não sei até que ponto arranjaria lá semelhante com facilidade, mas não me parece).
- Quanto ao hotel, acho que como em termos de alimentação da bebé se pode assegurar sozinha, teria em conta se tem por exemplo serviço de atendimento médico… O Bahia Príncipe que refere parece-me bem.
- Depois é cuidado com o sol (há uns fatinhos de banho com filtro UV que protegem mais o corpo) e os mosquitos (raid de tomada para o quarto e moustidose para a pele porque acho que é o único que com essa idade pode colocar, mas funciona, esqueça os dos infra-sons e citronela que são treta).
- Ahhh e muito importante, requisite berço a bordo, além de ficar num lugar com mais espaço para as pernas dá imenso jeito para os soninhos do bebé.
- E ainda, veja no aliexpress aquelas boias de bebé que têm um toldo por cima, assim podem andar todos no mar mais tempo porque o bebé permanece à sombra...

No fim de contas não acho que viajar com bebés seja nada do outro mundo, dá trabalho toda a logística mas no fim é aquele trabalho que vale a pena. Infelizmente acho que a generalidade dos portugueses ainda tende a ser mais reticente e não me cruzei com nenhuns… Mas falando por mim, das vezes que já fui não em arrependi por 1 segundo, e já ando a planear as do próximo ano!
Muito obrigada Dsanto!! Sim, acredito que seja mais problemático com logística. Confesso que o que realmente me preocupa é a saude...tenho receio que ela fique doente e depois lá não tenha os cuidados médicos necessários. Lol mas acho que é só preocupação tonta. :) Vai correr tudo bem..apesar da logística complicada! Lolololol nessa altura ela também já deverá comer sopas e papas. Não teve problemas em levar comida pra ela na mala de cabine??

Obrigada
Cptos
 

Dsanto

Membro Conhecido
Sim, ela pode de facto adoecer, ter uma virose, qua apanham tantas vezes por cá, acredito que o procedimento seja o mesmo de sempre que um bebé tem febre, daí achar importante ter um médico à mão. Tem que levar é a farmácia atrás, mas isso o próprio pediatra vai recomendar, e deve ser tudo na base do mesmo (ben-u-ron, brufen, fenistil gotas e atyflor) pelo menos é a lista da minha filha nas viagens...

Ahhh, não tive qualquer problema com levar muita coisa na cabine, incluindo os medicamentos… Mas se perguntassem acho que os motivos são válidos, os medicamentos não podem estar sujeitos a temperaturas que tantas vezes se fazem sentir no porão, e indo para um destino desses, levava comida a mais porque tinha receio de passar alguns dias sem ter malas e não é como se tratasse de uma criança grande que já come qualquer coisa. Cheguei a levar sopa fresca para a viagem com aquelas geleiras azuis e não me disseram nada.
 
Última edição por um moderador:

TREPADOR

Membro Conhecido
Viajei para as Caraíbas com os meus filhos ainda pequenos e a logística é a mencionada.
Levei garrafas de água de água de 0.50L suficiente para toda a estadia, pacotes de leite dos pequenos (julgo que no teu caso será de lata), frutas, sopas, um T para colocar numa tomada com o insecticida (manter sempre um cartão no quarto para a tomada estar sempre ligada) a medicação da praxe mais um antibiótico e não menos importante, o contacto da pediatra.
Felizmente não necessitei da medicação, correu tudo bem, mas é importante um bom protector sola tipo máscara, daqueles que o corpo fica completamente branco, pois mesmo à sombra somos afretados pelo sol.
Com o mais novo tive uma situação mais desagradável no voo. Devido à altitude começou a doer um ouvido ao meu filho, felizmente a experiência de uma passageira já com alguma idade que simpaticamente nos abordou, resolveu a situação (estamos sempre a aprender), e passo a explicar para situações futuras.
Com dois copos plásticos, colocou num deles um fundo de água quente e alguns guardanapos de papel, por forma a que a água se dissolver por completo nos guardanapos, colocou por cima desse copo com os guardanapos humedecidos e quentes o segundo copo. Depois basta colocar os copos junto ao ouvido (encostar por completo por forma a o ouvido fique dentro do copo). Basicamente os copos ficam a libertar calor sem o inconveniente de virar a água uma vez que esta dissolvida em papel. O alivio foi imediato e acabou o choro.
Boas férias.
 

Nitaaa

Membro
Viajei para as Caraíbas com os meus filhos ainda pequenos e a logística é a mencionada.
Levei garrafas de água de água de 0.50L suficiente para toda a estadia, pacotes de leite dos pequenos (julgo que no teu caso será de lata), frutas, sopas, um T para colocar numa tomada com o insecticida (manter sempre um cartão no quarto para a tomada estar sempre ligada) a medicação da praxe mais um antibiótico e não menos importante, o contacto da pediatra.
Felizmente não necessitei da medicação, correu tudo bem, mas é importante um bom protector sola tipo máscara, daqueles que o corpo fica completamente branco, pois mesmo à sombra somos afretados pelo sol.
Com o mais novo tive uma situação mais desagradável no voo. Devido à altitude começou a doer um ouvido ao meu filho, felizmente a experiência de uma passageira já com alguma idade que simpaticamente nos abordou, resolveu a situação (estamos sempre a aprender), e passo a explicar para situações futuras.
Com dois copos plásticos, colocou num deles um fundo de água quente e alguns guardanapos de papel, por forma a que a água se dissolver por completo nos guardanapos, colocou por cima desse copo com os guardanapos humedecidos e quentes o segundo copo. Depois basta colocar os copos junto ao ouvido (encostar por completo por forma a o ouvido fique dentro do copo). Basicamente os copos ficam a libertar calor sem o inconveniente de virar a água uma vez que esta dissolvida em papel. O alivio foi imediato e acabou o choro.
Boas férias.
Que dica fantástica! Obrigada!
 

martinsjoao

Membro Conhecido
Desculpa intrometer-me no teu tópico e ter uma opinião, sem experiência, mas com muita vontade de o fazer e, sobretudo, com pesquisa feita.

Desde as primeiras férias com o meu filho que o meu destino preferencial seria Punta Cana, tinha 10 meses na altura. No ano seguinte voltou a entrar na equação e este ano idem (sendo que foi a vez que esteve mesmo para se consumar, não fosse o medo do atraso nos passaportes - mesmo nos urgentes disseram-nos que não garantiam);

Porque não se concretizou?
-O nosso médico de família e pediatra tem uma situação (que também nos é "próxima") em que uma dessas viagens a Punta Cana correu MUITO mal; Ambos sempre nos desencorajaram a ir para as Caraíbas, principalmente Punta Cana;
- Após ler (muita) coisa percebi que em 10000 viagens com bebés/crianças poderá haver apenas uma que corre mal, o que nos dá uma garantia de "há muita gente a fazer isto e não há problema", mas nunca sabemos qual é "o caso" que vai correr mal... e as coisas não acontecem só aos outros;
- achando que não valia a pena expor-nos a uma situação desagradável nas férias (ignorando coisas mais graves), sabendo pessoalmente da situação que correu mal, optamos por ir para opções "civilizadas" (valendo isso o que vale....);

Tens aqui já uma série de dicas de pessoas que fizeram a viagem, eu também tenho conhecidos que fazem regulamente férias em Punta Cana com filhos e sem qualquer problema;

Já agora, outra dica para os ouvidos, caso o bebé ainda mame leito materno, fazer a descolagem e a aterragem com ele a mamar ajuda. O nosso fez a primeira viagem aos 3 meses e nunca tivemos problemas com os ouvidos (claro que isto não será linear com todos, mas sempre pode ajudar - como nos ajudou a nós).
 

Dsanto

Membro Conhecido
Honestamente não sei se percebo o seu comentário. Primeiro diz que não concretizou viagem por causa do passaporte, depois refere uns quantos motivos para não se ter concretizado. Em que ficamos?
O seu médico de família é também pediatra? 🤔 Eu ouço essencialmente o nosso pediatra... O médico de família é um ótimo médico, mas já tem uma idade e uma postura um tanto conservadora em relação a viagens. Pela opinião dele eu não levaria a minha filha a lado nenhum até ter uns 15 anos que foi quando ele começou a levar as dele... E depois ainda por cima argumenta coisas sem qualquer nexo, como falar do ar "viciado" dentro de um avião tantas horas... Ora, o senhor pode perceber muito de medicina mas não de engenharia. O ar dos aviões é inúmeras vezes melhor e mais controlado que o dos shopings onde tantas vezes nos enfiamos por exemplo... Mas pronto, isto para dizer que qualquer médico, a não ser que haja condicionantes de saúde não tem um real motivo para desaconselhar viagens a não ser a sua mera opinião pessoal...
Se formos a pensar assim nunca vamos com os putos a lado nenhum. Em 10000 quantos não se aleijam nos baloiços? E a a andar de bike? e Patins? E já agora acidentes de carro? A minha filha já fez 3 viagens e não teve qualquer stress em nenhuma... E aqui apanhou sarampelo na sala de espera do posto médico por exemplo... Não sei até que ponto não é leviano mandar para o ar que em cada 10000 viagens com bebés há uma que corre muito mal... Viu algum estudo científico que aponte esses valores? Se de facto acredita tanto em probabilidades pode ir à vontade porque se conhece alguém a quem algo de mal tenha acontecido a chance de lhe acontecer a si (no mesmo núcleo) ainda é mais pequena...
Algumas ilhas das caraíbas são de facto pobres, incluindo Punta Cana, mas são também muito turísticas e americanizadas e se os hospitais públicos são uma miséria, os privados para onde são levados os turistas, nem por isso. Daí a importância de um BOM seguro de saúde. E depois, ainda falamos como se fossemos do paraíso da medicina para o miséria da medicina, quando o nosso país cada vez decai mais em termos de qualidade nos cuidados de saúde públicos, tendo saído há pouquíssimo tempo muito mal posicionado a nivel europeu por exemplo... Já para não falar de países "civilizadíssimos" como a Inglaterra onde o serviço de saúde é simplesmente péssimo e onde o turista nem de longe tem o tratamento VIP que tem noutros países. Cuba faz parte das Caraíbas, é um país pobre e tem um sistema privado de saúde de fazer babar o resto do mundo, por exemplo.
Acho que se a pessoa tem medo, e é legítimo que tenha, por exemplo eu tinha viagem marcada para o Brasil quando ela tinha 10 meses, alterei por causa da febre amarela, pode optar por não ir, mas assume que não vai porque tem medo e não porque o país em causa não dará conta se algo correr mal... Porque até no nosso país, muitas vezes não dão conta quando algo corre mal.
 
Última edição por um moderador:

martinsjoao

Membro Conhecido
Entre não perceber ou não concordar, (não) percebi a sua resposta mas limitei-me a querer contribuir com uma opinião, que pode sempre ser útil, a quem o entender:
- se falei, foi porque ponderei (e pondero) fazer a viagem. Não se concretizou pela ponderação dos fatores que enumerei;
- de todas as formas, o meu médico de família não é o pediatra, tal como escrevi "Ambos sempre nos desencorajaram a ir para as Caraíbas(...)", não nos desencorajaram a viagens e tão pouco senti que se sentissem engenheiros ou outra coisa qualquer; aliás, disseram-nos, desde o primeiro momento, que o bebé poderia viajar após os 4/5 primeiros dias de vida, sem qualquer problema;
- podia ter colocado o 10000 entre aspas, mas penso que para qualquer bom entendedor perceberia o que queria dizer. Pois não tenho estudo cientifico, nem sou eu que o irei fazer. Limitei-me a partilha uma situação que correu MUITO mal. E sim, foi para um hospital privado e, sim, tinha seguro extra...
-obviamente que estamos expostos sempre a acidentes, até no sofá em casa; mas falando especificamente num tópico de viagens não me parece ser minha intenção estar a fazer analogias com situações do dia-a-dia. Como referi, este ano foi a situação que esteve mais próxima de se concretizar Punta Cana (porque já eram quase 3 anos e não 10 meses - sendo que pouca diferença pode fazer, mas pelo menos com 34 meses já se consegue expressar). Nos outros anos, optamos por, como disse, não "expor-nos a uma situação desagradável nas férias (ignorando coisas mais graves)(...)". Nem estava a pensar em doenças;
- quanto aos serviços de saúde, não conheço, portanto não posso falar. De Cuba ouvimos falar na excelência dos tratamentos e da excelente formação dos médicos. Mas EU é só do que ouvi e não de conhecer (ao contrário da situação que referi de Punta Cana);
- não pretendo ser dono da razão com o meu post, nem desencorajar a viagem ou algo do género, apenas procurei mostrar a MINHA visão, que é de quem pensou fazer a mesma viagem e de quem ainda tem intenção de a fazer.
 
Última edição por um moderador:

Dsanto

Membro Conhecido
Eu não o critico por dar a sua opinião, foi o que eu também fiz... Não partilhamos da mesma opinião, não quer dizer que a sua esteja errada e a minha certa, as duas têm o seu fundamento. Eu como lhe disse não fui para o Brasil porque tive medo que a minha filha apanhasse a febre amarela lá... Percebo esses receios, como também deve perceber que ache outros receios mais infundados.
Se tivesse tido o passaporte a tempo, tinha ido para Punta Cana?
E se tem conhecimento de um caso específico sobre o atendimento médico em sistema privado em Punta Cana devia expor o caso, isso ia ajudar a que as pessoas tenham atenção a um determinado hotel, operador, ou hospital ou clínica... Algo mais preciso.
 

martinsjoao

Membro Conhecido
Se tivesse tido o passaporte a tempo, tinha ido para Punta Cana?
Sim! Possivelmente iríamos, porque restavam poucas alternativas e Punta Cana era a mais económica, ficando no hotel que pretendia (Iberostar, porque já lá estive).


E se tem conhecimento de um caso específico sobre o atendimento médico em sistema privado em Punta Cana devia expor o caso, isso ia ajudar a que as pessoas tenham atenção a um determinado hotel, operador, ou hospital ou clínica... Algo mais preciso.
O hotel era Bahia Príncipe, mas em nada teve a ver com o caso; Tão pouco o operador.
Basicamente tudo correu mal desde o diagnóstico até à "resolução". Situação muito confusa e onde tirar a bebé do hospital foi um filme, que acabou por envolver a médica de cá, para "remediar" a situação e trazê-la para Portugal.

Também posso referir o caso de um amigo (adulto) que partiu um pé e correu tudo bem e disse que foi muito bem tratado.
 
Última edição por um moderador:

TREPADOR

Membro Conhecido
Como foi referido, toda esta temática é sempre algo muito pessoal, sendo que a opinião daqueles que nos rodeiam, bem como a informação que vamos recolhendo, acaba por influenciar a nossa decisão.
Nós optamos por fazer a primeira viagem para as Caraíbas com os nossos filhos, na altura em que fizeram 2 anos, e das duas vezes para o mesmo destino, México.
Tal decisão prendeu-se com o conselho da nossa pediatra, que não é de todo conservadora, faz voluntariado todos os anos em zonas desfavorecidas em África.
Quando questionada se com um ano poderiam viajar para as Caraíbas, referiu que não desaconselhava de todo, mas que era uma escolha pessoal, mas após a pressionarmos mais um pouco, lá acabou por nos dizer que com dois anos o plano de vacinas já e suficiente para apresentar um outro nível de resistência a algumas doenças.
Decidimos na altura espera mais um ano...
Quando viajamos no ano seguinte, recordo-me de ver muitas crianças com menos de um ano no hotel e de comentarmos que se calhar, nós Portugueses, somos um pouco conservadores nesta matéria, quando comparados com outros povos.
Não aconselho nem desaconselho a fazer a viagem independentemente da idade, apenas a precaverem-se para qualquer eventualidade na medida do possível e usufruir das férias na companhia dos filhos.
 

NunoCorreia

Membro Conhecido
Boas pessoal,
Andamos a pensar ir para Punta Cana em Janeiro. Problema: temos uma bebé que na altura terá 5 meses.
Alguém que tenha ido com crianças menores de 1 ano que possa contar a experiência? Muito sinceramente o meu maior medo é em termos médicos. Ela poder ficar doente ou assim... E também as comidas para ela...
Que hotéis aconselham neste caso?
Tenho recebido orçamentos para o Bahia Príncipe Bavaro... O que acham?

Muito obrigada!! :)
Olá, já se decidiu?
 

Nitaaa

Membro
Olá, já se decidiu?
Olá Nuno,

Decidi em ir e até já tratei dos passaportes dos miúdos, mas infelizmente não consegui comprar a viagem nos primeiros orçamentos e agora os orçamentos que tenho são elevadíssimos! (3600€/3800€) Pelo que estou a espera de um milagre de natal para ir! Lol
Vamos ver...

Cptos
Ana
 

NunoCorreia

Membro Conhecido
Olá Nuno,

Decidi em ir e até já tratei dos passaportes dos miúdos, mas infelizmente não consegui comprar a viagem nos primeiros orçamentos e agora os orçamentos que tenho são elevadíssimos! (3600€/3800€) Pelo que estou a espera de um milagre de natal para ir! Lol
Vamos ver...

Cptos
Ana
Que azar, em Janeiro e pedem isso para 2 adultos e 2 crianças?
Já contactou o @viajarcaribe ?
Quando fui para lá em Junho, consegui 3 dias antes um preço promocional para esse hotel e éramos 2 adultos e uma bebé.
 
Top